terça-feira, 19 de janeiro de 2021

UM TEXTO MUITO DEVOTO … Por KITO PEREIRA

 


UM TEXTO MUITO DEVOTO …

 

Eu pecador me confesso. Sou um devoto do leitão. Do leitão da Bairrada, entenda-se. A culpa foi do meu amigo Rainho, que cedo me meteu nas lides porcinas. Lá, na catedral da Bairrada, encontrei o meu porto de abrigo. É no “Típico” da Dona Etelvina que vou rezar. Vou em compungido recolhimento, benzendo-me já arrependido do meu pecado da gula. As funcionárias da casa que ali trabalham, já me conhecem de ginjeira. Com um sorriso sarcástico, perguntam-me se quero comer pescada cozida. E eu, no meu estatuto de cliente ofendido, lá lhes vou dizendo que pode ser a deslavada pescada e para beber que me sirvam um pacote de leite “Gresso”, de penitência. Modéstia à parte, eu acho que merecia uma estátua na Mealhada. Não uma estátua equestre, mas montado em cima de um porco, com uma faca e um grafo em cada mão e um guardanapo ao pescoço, por causa das nódoas da gula. Um dia subornei o meu filho Gonçalo para as lides e fiz mal. Também amante do garfo e da faca, cedo ficou mais devoto que eu. Não foram precisas muitas lições de catequese para ficar beato. Tão beato que uma noite em que a Académica jogava em Aveiro num jogo que não podia perder – a sina do costume – lá fomos em romagem com mais um batalhão de aficionados do pontapé na bola. Então aconteceu uma coisa rara – marcámos um golo . Um tal Gyano, que andava em Coimbra a tirar o curso da universidade da vida, deu uma cabeçada na bola que só parou no fundo da baliza dos de lá e ganhámos o jogo. No regresso e com a alegria, fomos os dois a correr para a Mealhada já noite adentro, com os ponteiros de relógio a bater a meia-noite. Lá chegados, o entusiasmo esmoreceu. Tudo fechado e até nos apeteceu chorar. Andámos a bater de porta em porta, até que encontrámos um restaurante que nos recebeu e, sozinhos na sala espaçosa, demos azo aos nossos apetites porcinos. Pelo exposto, admito que os leitores estejam inclinados de que eu mereço mesmo uma estátua na Mealhada. Já agora, exijo também uma rua com o nome do meu filho, que eu cá nestas coisas de religião sou um pai muito atento e extremoso …

Kito Pereira           

12 comentários:

  1. O próximo domingo também é de voto.

    ResponderEliminar
  2. montado em cima de um porco com um GRAFO em cada mão. Esta do "grafo" é que eu não percebo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só não faz sentido porque é só um grafo. Se fossem vários, seria um polígrafo.

      Eliminar
    2. Manuel da Cruz, troquei as letras. Deve ser da graduação do vinho. Abraço ...

      Eliminar
  3. A foto é mesmo na sala de refeições do restaurante Típico.
    Sei da tua preferência pelo Típico que vem dos teus tempos de infância.
    Já lá fomos todos várias vezes e sempre bem servidos.
    A tua amizade com a Dona Etelvina é de velhos conhecidos.

    ResponderEliminar
  4. ... Também ando com muita vontade de sair do isolamento, para comer um tambaqui assado na brasa, com farofa de banana, Baião-de-dois e vinagrete. Mas só vontade mesmo, porque, por estas plagas, o "bicho tá pegando", infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui não está melhor, Mamãe. O nosso Sistema Nacional de Saúde é que tem dado conta do recado... mas já atingiu o limite.

      Eliminar
  5. Um bom texto, com muita piada e, claro, bem escrito.
    Não me lembrei de propor uma estátua tua, na Mealhada, mas vou falar com o Presidente da Câmara e com a minha prima que é vereadora. Depois te direi.

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Isso, mesmo !!! Uma estátua frente ao Tipico com pompa e circunstância. Tu diriges a banda, o Paulo toca ferrinhos e o Alfredo faz o discurso ...

      Eliminar