segunda-feira, 18 de maio de 2020

ENCONTRO COM A ARTE- POESIA

Aqui, no aconchego do meu cantinho...

Como deve estar linda a serra
Coberta de estevas de neve
Para me lembrar a minha terra
E eu, sem poder vê-la assim...
A urze florescerá em breve
Já é tempo  da rosa albardeira
Malmequeres,  cóleos, alecrim
Do rosmaninho que tão bem cheira...
Mas..., a pandemia não tem fim

As papoilas tingem as searas   
Que prometem dar pão das espigas 
As chuvas são cada vez mais raras   
Pulula o afã nas herdades 
Não de rapazes e raparigas 
Alegrando  o ar com seu cantar
Nem do velho toque das Trindades
A avisar do regresso ao lar
Cansaço que nos deixou saudades
Ai..., pandemia que faz pensar!...

Lá fora canta a chuva forte
Hoje nem o sol vem espreitar
O candeeiro é minha sorte
Não deixa que o escuro do dia
Aprisione o meu sonhar
Na gaiola de melancolia,
Traz musas e gnomos até mim,
Projecta baile de sombras negras
Que invento em lindo jardim
Ouvem-se pios de toutinegras,
Os rouxinóis  soltam melodias
Enquanto vou teclando assim!
Talvez adormeça a pandemia...

Georgina E. C. Ferro

1 comentário: