sábado, 22 de novembro de 2014

O DIA CHEGOU!

O dia chegou...  
 O dia que Albert Einstein tanto temia, finalmente chegou.........
um dia na praia
torcendo pelo time
jantando com os amigos
durante um compromisso íntimo
conversando com seu melhor amigo
visitando um museu
curtindo a visita

“Tenho medo do dia em que a tecnologia vai se sobrepor à interação humana. O mundo terá uma geração de idiotas.” 
O DIA CHEGOU!
enviado por Margarida Vieira

17 comentários:

  1. Coincidência, há dias comentei a respeito dessa situação, aqui. É o que temos visto... por aí. Pessoas tropeçando umas nas outras, porque já não olham por onde andam... fixas no celular. Ainda prezo por uma boa conversa...
    Mas... fazer o quê?
    Assim Caminha a Humanidade... !

    ResponderEliminar
  2. Realmente esta postagem ilustra bem o tempo em que vivemos e deixa antever que o que vier para a frente será ainda pior!
    Também é certo e pelas imagens dá para ver que se passa mais com a geração mais nova.
    Com a geração mais entradita, ainda se conseguem uns bons momentos de conversa, seja nos cafés, nas passeatas....Aqui no nosso Bairro, pelo menos vai acontecendo!
    Mas com os mais novos, realmente a pergunta é pertinente:Mas...fazer o quê?
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  3. A minha opinião não é tão radical!
    Os idiotas de hoje que só falam com o telemóvel, seriam também idiotas de ontem à luz do candeeiro de petróleo.
    Quem não se lembra (desde que tenha mais de 50 anos, claro) de ter feito um "telefone" com duas latas de graxa e um cordel enorme?
    Quem não andou a apagar e acender a luz do quarto, para comunicar em código Morse com a miúda que morava a dois quarteirões de distância?
    Quem não escreveu cartas e postais, e aguardava as respostas ansiosamente, que na melhor das hipóteses só viria 4 dias depois?
    Quem é que hoje, depois de ter um telemóvel disponível 24 horas por dia, poderia viver sem ele? Quem é que hoje, depois de se ter habituado ao saneamento básico, água quente e fria canalizada, electricidade, internet e telefone, poderia viver sem isso?!...
    Não! A culpa não é dos telemóveis!... Quem só sabe “conversar” pelo telemóvel, é que é imbecil e imbecis sempre houve e há-de continuar a haver!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tens razão. Conheço jovens surpreendentes.

      Eliminar
  4. Tudo começa nas nossas casas.
    Em minha casa, desde sempre proibi telemóveis durante as refeições, enquanto estamos à mesa. Isso é cumprido desde sempre. Nos quartos, também proibi. Esta proibição, desde sempre foi contestada. "Ó pai, é o nosso despertador"... E contornada.
    O meu Pai, que sempre foi contra armas de qualquer tipo, uma vez engoliu em seco quando os meus tios me ofereceram uma pistola de plástico que disparavam uns pauzitos com ventosa. Quando atirei ao meu irmão e ele ficou com aquilo pendurado na testa, o meu Pai tirou-me a pistola das mãos e atirou-a para cima do telhado da nossa casa. Várias vezes ameacei as minhas filhas de que faria o mesmo aos telemóveis delas. Resultava... mas pouco...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A educação, no seio da família, é a que irá determinar o caráter de uma pessoa, para o bem... ou para o mal. Daí quanto é fundamental e importante para o crescimento do indivíduo, essa fase.
      Afinal, "educai as crianças e não será preciso punir os homens de amanhã". E o "Pi" teve lá suas razões, "tá"? A hora para isso sempre será o ... a...Gora(s)!
      Ainda bem que um outro pai pensa como eu: nunca presenteei crianças com qualquer objeto que simule uma arma.

      Eliminar
  5. Pois, pois mas na minha educaçao deram-me um dia uma G3 para as maos e mandaram-me para AFRICA durante 2 anos!!!Como nao sou parvo nenhum, troquei a G3 por uma guitarra electrica e assim passei uma tropa em beleza!!!!Apesar dum dia, o Capitao me ter dado 3 dias de prisao, por ter dado 5 kg de batatas a mais ao pessoal!!!Uma historia por contar!!!!

    ResponderEliminar
  6. Não gosto dos "velhos do Restelo",a humanidade evolui, cresce, transforma-se e todas as modificações têm um preço.
    Haja bom senso e capacidade para nos adaptarmos e ajustarmo-nos à inovação reconhecendo que as vantagens superam as desvantagens.

    Na educação é necessário definir regras e dar o exemplo do que exigimos.

    ResponderEliminar
  7. Tens toda a razão.
    Na minha adolescência, havia amigos meus que passavam as tardes de sábado e de domingo em frente à televisão. E na altura criticávamos esses amigos...

    ResponderEliminar
  8. Quem educa é o causador destes exageros...
    Brincar como brincámos teve o seu tempo mas brincar hoje também é de incentivar e utilizar esta tecnologia é essencial. As regras devem ser feitas pelos pais com tempos estabelecidos e incentivamento da imaginação....

    a imaginação

    ResponderEliminar
  9. Pessoalmente, também acho mal que os jovens usem o telemóvel da forma como o estão a usar.Penso, no entanto,que quando eu tinha 20 anos, se o tivesse........o usaria da mesma forma.Não pensem que somos diferentes! No entanto, acho que quem se prejudica são todos eles, que deixam de brincar......que deixam de conversar........que deixam de reunir e, sobretudo, que deixam de discutir os problemas sérios deste país, quando são eles que vão levar por tabela.Mas, ainda assim,continuarei a acreditar nos jovens. Ainda hoje almoçei com o meu neto que, logo que se sentou à mesa.colocou o telem. sobre a mesma e falou para uma das colegas. Competia-me a mim avisá-lo? Ou ao pai, que é meu filho? Sou eu que estou velho ou é ele que vive num estado mais avançado? Vamos gerir com calma porque o mundo evolui a cada dia que passa.

    mariorovira

    ResponderEliminar
  10. Penso que o problema existe e é complexo mas as suas dimensões dependem de cada um de nós.
    Exemplificando, talvez seja mais fácil transmitir-vos o que penso .

    Num restaurante vi um casal, que almoçava tranquilamente, conversando entre si. Deveriam andar pelos 35 anos. A seu lado, um garoto, com os seus 10 anos, dedilhava freneticamente um jogo no tlm..
    Este quadro seria impossível quando os meus filhos tinham dez anos, por razões óbvias...
    Este quadro é impossível com os meus netos, de 11 e 6 anos, porque nunca o permitiríamos.

    Um amigo combinou comigo um almoço. Há muito que não nos víamos e tínhamos que pôr a conversa em dia. Óptimo!
    Estávamos nas "entradas" e ele recebe um telefonema. Longo!. Quando metíamos o dente num bacalhau à moda da casa, recebe outro telefonema e, na sequência deste, ele próprio faz uma ligação. Longa!
    Simulei que ia à casa de banho e saí pela porta do cavalo...
    Passado meia hora, ligou-me, zangado, perguntando-me o que é que me tinha acontecido. Retorqui-lhe que nada de especial, o que acontecera é que ele tinha combinado almoçar comigo e foi, afinal, almoçar com o telemóvel...

    Moral das estórias - verídicas, vos asseguro - não são as novas tecnologias culpadas pela imbecilidade do Homem. Podem ser-nos muito úteis, se não formos imbecis...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bravo, Carlitos!
      Comigo, funciona ao contrário: raramente ando com o telemóvel. E isto desde que tive esta cena com um colega meu, numa empresa:
      - Olha lá, Alex, tentei ligar-te e não atendeste...
      - Ó Paulo, não levo o telemóvel quando vou almoçar.
      - Mas podia ser uma chamada urgente. Por acaso não era...
      - Uma urgência em que eu tinha de interromper o almoço? Dá-me lá um exemplo...
      - Sei lá... olha, por exemplo, haver um incêndio na fábrica...
      - Ó Paulo, achas que eu iria apagar o fogo? Nesse caso, deverias telefonar de imediato para os bombeiros, não para mim.
      O sacana do Alex tinha toda a razão. E eu jurei a mim mesmo, desde esse dia, que iria tentar deixar de ser imbecil (não é que consiga, mas tento).

      Eliminar
    2. É por aí. E, com o celular, as pessoas concluem que estamos com eles, pendurados ao pescoço 24h/dia. Já vêm em você, quase dedo em riste, acusando: Pôxa, te liguei mil vezes e "não" quiseste atender!
      Já me testei sair sem ele, por esquecimento, e não volto em casa para buscá-lo. Penso logo: "Não vou ficar escrava disso, já nos bastam outros tipos de submissão.Mas deste eu posso resistir".
      E parabéns à atitude do Carlos Viana, porque é muiiiiitoooo chato mesmo passarmos por uma situação dessas. Tem uma pessoa, que quando está conosco, passa o tempo atendendo ao celular. Eu brinco: olha, vou ligar agora para ti, quem sabe fica mais fácil falar contigo ao celular, do que pessoalmente...rsss (também fatos verídicos).
      Bom dia a todos.

      Eliminar
    3. Gostei e estou a gostar do papo.
      O que se passa comigo, é bem pior, por vezes, absolutamente desesperante:
      Tenho um telemóvel topo de gama, ando sempre com ele, quando vou para a cama coloco-o na mesinha de cabeceira, na casa de banho fica ali ao meu lado à espera e... desgraça das desgraças, nunca ninguém me telefona!... As únicas chamadas que tenho, são chamadas não atendidas, porque sou eu que ligo para mim, do telefone fixo, mas depois não atendo porque não faria sentido!!!...

      Eliminar