sexta-feira, 31 de outubro de 2014

BOLINHOS E BOLINHÓS...


Bolinhos e bolinhós
para mim e para vós
para dar aos finados
que estão mortos
e enterrados
à porta de vera cruz
para sempre amem Jesus!

TRUZ, TRUZ
......

A senhora que está lá dentro
sentada num banquinho
Faz favor cá vir fora
para nos dar um bolinho-tostãozinho

Esta casa cheira a broa
Aqui mora gente boa
Fotos e vídeo EG

20 comentários:

  1. Gostei desta reportagem em cima da hora.
    Por cá é uma loucura, pois não só as pessoas vão mascaradas para as escolas e trabalho, como os próprios carros e casas estão cheios de fantásmas.
    Talvez porque seja uma tradição trazida pelos irlandeses e escoceses no sec. XVIII, a grande loucura de fazerem autênticas casas encantadas, é fora de Montreal. Até lá vai a televisão.
    Quanto ao marketing, o halloween é hoje mas há produtos para o Natal à venda desde Setembro.
    Amanhã, os diferentes produtos para o halloween estão todos a cinquenta por cento, incluindo os chocolates, rebuçados, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este ano apareceram por aqui vários grupos.Vêm os mais pequenos...e os pais ficam mais longe a vigiar!!
      Destes três exemplos todos diferentes mais softiscados, no traje( meus sobrinhos-fotos e vídeo), com abóbora e como no meu tempo com a caixa de papelão!.
      Ficou mais este registo para memória futura!

      Eliminar
    2. Nesta noite, a segurança é muito grande e vê-se sempre carros da polícia a passarem devagarinho. Os pais aqui não só acompanham os miúdos, como no fim da coleta vão para casa de um, abrem os rebuçados e chocolates "todos", não vá haver alguma agulha ou outro produto "amigável" no interior da oferta. Depois juntam tudo e dividem pelas crianças que foram. Os tempos são outros.

      Eliminar
  2. Os tempos mudam e as pessoas lá se vão adaptando. Quando eu era miúdo, juntamente com mais um ou dois, (nunca mais do que isso) lá dávamos a nossa voltinha pela Arregaça, Rua do Brasil e Alpenduradas. Não havia abóboras eram caixas de sapatos! Os pais ficavam em casa sem qualquer receio de que poderíamos correr algum perigo! Hoje, isso é impensável! Também aqui em Aveiro a miudagem vem com os pais, são sempre 4 ou 5 adultos a acompanha-los. Se eu fosse pai, fazia o mesmo, sem dúvida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alfredo, moras em Aveiro?!!
      Em pequeno adorava esta tradição recebia sempre algo que em casa não havia!!.., os Bolinhos e Bolinhós da minha infância era imperdível.
      Um abraço
      Fernando AZENHA

      Eliminar
  3. Perdi-me e nem disse que gostei da reportagem! Agora com a máquina da cor do meu carro, ninguém pára o Dom Rafa!!!...

    ResponderEliminar
  4. Isto é temos cada um de nós(aos pares) uma máquina branca!
    Tu meches bem na tua...eu na minha só sei andar para a frente!!

    ResponderEliminar
  5. Já agora, se me permitem, recordar é também viver e reviver o tempo que distantes mas continuamos a passar juntos.
    Quem em dois mil e onze pôs o mesmo título com os seguintes dizeres:

    Bolinhos e bolinhós
    Para mim e para vós
    Para dar aos finados
    Qu'estão mortos,enterrados
    À porta daquela cruz.

    Truz!Truz!Truz!

    A senhora qu'está lá dentro
    Assentada num banquinho
    Faz favor de s'alevantar
    P'ra vir dar um tostãozinho.

    Esta casa cheira a broa
    Aqui mora gente boa.
    Esta casa cheira a vinho.
    Aqui mora algum santinho.

    Foi o Rui Lucas.
    Se nos vês ou nos sentes, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Valeu! lembrar o Rui Lucas e todos aqueles que nos deixaram, especialmente familiares e amigos.

      Eliminar
  6. Tudo lembra no seu tempo!
    Gastei todos os trocos, pois agora preferem dinheiro, bolinhos ainda não lhes faltam.
    A visita dos sobrinhos, sobrinho neto e uma bebé ainda a aguardar mais uns dias para a conhecermos... No próximo ano será mais uma a cantar! Chegue bem e com saúde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo a seu tempo´, é a verdade.
      Mas nem sabíamos,lá pelas bandas do interior, que esse Dia existia. Até porque essa é uma cultura de outros países, não do Brasil,que agora - período bem mais recente - já introduz nas escolas essa atividade.
      Mas gosto mesmo é do Saci-Pererê,do Curupira,Mula-sem-cabeça, Caipira, Boitatá, Vitória Régia. De todos, o que metia medo em muita meninada era o Saci, moleque travesso. Mas adultos ainda temem o Curupira, entidade da mata, dizem que tem os pés para trás...

      Eliminar
    2. Em "Portugáu", há uns 40 anos e durante muito tempo, a única banda desenhada que havia era brasileira. Por isso muitas expressões brasileiras são-nos familiares. E havia as historinhas do Saci-Pererê, o pretinho de barrete vermelho, sempre a fumar cachimbo e só com uma perna...

      Eliminar
  7. Todos os anos eu ia rua fora a cantar com a caixa de sapatos com uma vela lá dentro.. já lá vão mais de 50 anos.... que saudades...

    ResponderEliminar
  8. Só os vendedores da MEO e da NOS e da TVCABO e etc... é que me batem à porta!
    Não sei porquê, os put@s há uns anos que deixaram de vir ao prédio amaricano. A Olga até costumava ter sempre qualquer coisa preparada para lhes dar. Achávamos piada mas.... prontus!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em tempo: parabéns pela reportagem.

      Eliminar
    2. Gosto de ver a miudagem e não só, por cá!
      Com tradição!

      Eliminar
  9. A minha "caraça" era feita de uma caixa de sapatos, com uns olhos, um nariz e uma boca desdentada e pacientemente recortada no cartão. Lá dentro uma vela acesa. Mais tarde, começaram a aparecer caraças de luxo, compradas em bazares das ruas estreitas da Baixa coimbrã. Estragaram tudo. Lá se foi a genuinidade ! Agora, no Porto, o alho - porro foi substituído por pequenos martelos de plástico. Perdeu a graça e lá está outra vez o oportunismo do dinheiro a ditar leis ...

    ResponderEliminar
  10. A minha mãe (nasc 1939) viveu a infância, com o irmão e a irmã, em Coimbra. Ela lembra-se perfeitamente de (nos anos 40) andar a bater às portas dos vizinhos a cantar "Bolinhos e Bolinhós".
    Com uma única diferença:
    Quando não recebiam guloseimas cantavam "Esta casa cheira a alho / Aqui mora algum borralho".
    Luís
    Lisboa-Portugal

    ResponderEliminar
  11. Segundo a versão da letra da minha mãe, quando davam guloseimas a casa cheirava a VINHO. Quando não davam, a casa cheirava a ALHO.
    VINHO... ALHO... VINHO... HALLO... WEEN... *HALLOWEEN*!!!

    ResponderEliminar